segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

VIVÊNCIA

Tudo que vivi me trouxe até aqui e esses fragmentos de história me fizeram o que sou hoje, os acertos e os erros cometidos fazem parte desse caminho. Quando olho pra trás e repenso o que vivi, sinto vontade de reescrever certas histórias, mas o tempo é cruel, não há chance de voltar. Não me arrependo das escolhas que fiz, porém tenho saudade do vinho, da música, da conversa, do brilho da lua e da luz de um olhar. Esses rompantes de nostalgia que me chegam sempre no silêncio de um vazio me fazem refletir sobre minhas buscas. De algum modo esses fragmentos de história me impulsionam para outras escritas procurando o melhor caminho para seguir, novos horizontes e novas escolhas, pois o percurso natural da vida nos leva sempre enfrente, às vezes é necessária uma pausa a sombra dos pensamentos, eles sempre foram meu melhor companheiro.
Por: Joamma Diniz

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

QUANDO A SERRA ENCONTRA O RIO

Quando a serra encontra o rio é o tempo da travessia. Embora nunca tivessem se tocado a intimidade entre os dois denunciava o imenso amor que ela sentia por ele e vice e versa. Era um amor impossível, pois o rio jamais alcançaria a serra e tampouco ela sentiria força de suas águas, mas mesmo assim ela continuou a admirar seu amado, alimentando aquele amor que surgiu da admiração que ela sentia pela poesia de seu trajeto. Ele também a contemplava era apaixonado pela imponência de suas formas e todos os dias quando o sol os despertava eles se amavam a distância. Aquele amor era ingênuo e puro, contentava-se com a admiração mutua. Ela o desejava, queria banhar-se em suas águas num mergulho de amor e poesia do mesmo modo que ele desejava percorrer seus caminhos mais secretos em trilhas de paixão. E assim eles viveram esse amor-admiração em que ele a completa e ela o completa formando um encontro tão perfeito quanto uma paisagem no sertão.
Por:Joamma Diniz